Menu Fechar

Redes Sociais – como posicionar a sua PME

redes sociais

Para vermos a importância da Redes Sociais para um negócio, hoje em dia é normal dizer-se que “se não está na internet, não existe”. Talvez seja um exagero, mas esta expressão revela bem a importância do mundo online nos dias de hoje, tanto em termos pessoais, como para as empresas.

Basta pensar nos seus hábitos enquanto consumidor. Imagine que procura um restaurante perto do local onde está ou que não consegue entrar em casa, porque tem problemas na fechadura. O que faz? O mais provável é que use o telemóvel para encontrar o que procura e, depois de um ou dois cliques no ecrã, já esteja a telefonar para a empresa em questão. Certo?

E quantas vezes já procurou online um produto ou serviço, mesmo que a sua intenção seja dirigir-se a uma loja para o adquirir? O modo como se relaciona com as empresas é, no fundo, o mesmo como os seus clientes se relacionam com o seu negócio.

A internet, e nos últimos anos as redes sociais, vieram criar novos desafios para os negócios e alterar a relação existente entre empresas e consumidores. Vários estudos demonstram que este é um processo sem retorno e com uma tendência de crescimento acentuado.

Redes sociais em Portugal

O estudo “Os Portugueses e as Redes Sociais”, realizado pela Marktest e divulgado no final de 2018, permite ter uma ideia da forma como os consumidores interagem com as empresas através das redes sociais.

57% dos portugueses que utilizam redes sociais seguem empresas através destas plataformas;
28,4 % dos inquiridos seguem as marcas porque gostam delas;
22,2% querem estar a par das novidades da marca;
20,7% querem estar actualizados;
14,8% interessam-se pela área em que a empresa se insere.
O Facebook era, em 2018, a rede social mais utilizada pelos consumidores para seguirem as empresas (90% dos utilizadores).
Seguem-se o Instagram (38% ) e YouTube (1%).

Outro dado relevante deste estudo é o facto de a utilização da internet via telemóvel ser já superior ao acesso feito através do computador. Em crescimento está também a tendência para aceder à internet pela TV, através do fenómeno das Smart TV.

O Relatório Digital Global 2019, publicado em Fevereiro de 2019 pela Hootsuite, revela alguns indicadores importantes quanto aos hábitos dos portugueses:

Cada português passa, em média, seis horas e meia na internet e um terço deste tempo é gasto em redes sociais;
Oito milhões de portugueses são utilizadores da internet;
85% usam a Internet diariamente, 10% uma vez por semana e 5% uma ou menos vezes por mês;
Cada português tem, em média, 8,5 contas activas em redes sociais;
35% da população com mais de 15 anos faz compras online;
85% já pesquisou por um produto ou serviço;
33 % cento das compras online são feitas através de dispositivos móveis.

Ao analisarmos todos estes dados, facilmente se conclui que as empresas que não marcam presença nas redes sociais podem estar a perder negócio ou, no mínimo, a perder visibilidade. Estas plataformas não servem apenas como forma de entretenimento ou de partilha de momentos pessoais. São, cada vez mais, uma forma de chegar a novos clientes e de fidelizar os actuais, sendo assim cada vez mais importantes no mundo empresarial.

PME nas redes sociais: posicionar a sua empresa

Assim, é importante posicionar a sua empresa, independentemente da sua dimensão, nestes poderosos canais de comunicação. A forma de o fazer depende, em grande parte, de quanto tempo e dinheiro está disposto a investir.

Não basta criar uma página no Facebook ou abrir uma conta no Instagram. É preciso alimentar essas presenças regularmente e de uma forma consistente.

Se pesquisar uma empresa e perceber que a última publicação foi feita há vários meses, qual a sua percepção? Essa desconfiança será a mesma que os seus clientes vão sentir se não actualizar as redes sociais da sua empresa.

Dizer que não tem tempo não é argumento e, no caso dos clientes mais exigentes, poderá mesmo ser um factor de rejeição. Nos dias que correm, ter uma comunicação cuidada é tão importante como ter uma boa embalagem para um artigo.

De que lhe serve ter um bom produto se os consumidores não sabem que ele existe? E, tal como já foi referido no estudo da Marktest, sabemos que as pessoas gostam de estar actualizadas sobre as marcas.

E se não tiver tempo para gerir as redes sociais?

A melhor forma de contornar esta falta de tempo é decidir quantas vezes vai publicar nas redes sociais, que redes vai usar e, a partir daí, fazer uma calendarização, ou seja garantir um planeamento. No Facebook, por exemplo, é possível agendar as suas publicações, pelo que pode, num só dia, deixar já preparados todos os posts do mês.

É importante perceber que cada rede social tem os seus objectivos, a sua linguagem e formatos. O Instagram alimenta-se da imagem, mas no Linkedin já pode desenvolver um pouco mais o conteúdo. Torná-lo mais institucional e até técnico. Esta rede social tem objectivos mais profissionais e de partilha de conhecimento técnico.

Uma premissa é no entanto comum a todas as presenças. É que o conteúdo é palavra-chave quando falamos de redes sociais. Não basta publicar, há que ter algo para dizer e saber como se diz.

Os especialistas do Marketing Digital alertam para a relevância deste conteúdo e os próprios algoritmos do Google ou do Facebook penalizam conteúdos irrelevantes. Ou seja, arrisca-se a que as suas publicações fiquem “escondidas” por outras com mais qualidade.

É igualmente importante que as imagens ou os textos que publicar sejam cuidados. Na prática, exige-se profissionalismo e apelo gráfico para agradar às audiências e aos fãs. As redes sociais castigam o que é de fraca qualidade e abrir esta frente de exposição tem riscos. Aquilo que é menos positivo pode rapidamente ganhar proporções virais – com graves prejuízos de reputação.

Como gerir a presença das PME nas redes sociais?

Dada a forma como tudo se propaga rapidamente nas redes sociais, há que ter cuidado com as publicações e com a forma como responde aos comentários. Evite conteúdos polémicos, tente responder a todas as perguntas dos seguidores e, se preferir, faça-o por mensagem privada.

Para que a mensagem seja eficaz nas redes sociais seja consistente e para que nada falhe em termos de calendarização, o ideal é que possa entregar essa responsabilidade a uma pessoa ou a uma pequena equipa com sensibilidade para estas questões.

Caso não tenha ninguém na sua equipa que possa realizar este trabalho, pondere a contratação de uma empresa ou de um especialista neste assunto. O investimento depende das suas necessidades, mas o retorno será certamente maior do que se não investir tempo e dinheiro com a sua presença nas redes sociais.

Se tem questões sobre este ou outro assunto, contacte-nos,

Partilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *